Notícias - 5ª edição do programa Sinapse da Inovação da FAPESC bate recorde com mais de 1,7 mil ideias inovadoras submetidas


21/01/2016 - 07:33:06

Lista com até 300 aprovados para a próxima fase será divulgada no dia 9 de dezembro. Ao final serão implementadas 100 novas startups


As inscrições para a 5ª edição do Sinapse da Inovação foram encerradas na quinta-feira, 05/11, e o número de ideias inovadoras submetidas bateu um recorde na história do programa: foram 1719 propostas, 40% a mais que na edição anterior. Agora as ideias seguem para uma avaliação e os proponentes devem passar por mais duas etapas. Os 100 projetos selecionados recebem, ao fim do processo, R$ 60 mil em subvenção da FAPESC ? Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina e R$ 24 mil em serviços tecnológicos e consultorias especializadas do Sebrae. Nesta edição, pela primeira vez, a FAPESC oferece ainda bolsas aos empreendedores.

Segundo as estatísticas apresentadas pela Fundação CERTI, executora do programa, 35% das ideias são referentes ao setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC); 18% ao setor de Tecnologia Social e 14% se enquadram no setor de Gestão. Mecatrônica (10%), Eletrônica (8%), Química e Materiais (5%), Design (5%), Biotecnologia (3%) e Nanotecnologia (1%) também são setores contemplados.

Quanto à distribuição geográfica dos proponentes, 36% se declararam da Grande Florianópolis, 18% do Norte, 13% do Oeste, também 13% do Vale do Itajaí, 12% do Sul e 7% da região Serrana. As cidades com mais ideias são Florianópolis (524 ideias), Joinville (181), Lages (112), Blumenau (100) e Criciúma (93). No total, 118 municípios catarinenses participaram submetendo ideias.  

Do total de inscritos nessa primeira fase, 37% estão cursando o ensino superior, 23% têm curso superior concluído e 20% já são pós-graduados. Também apresentaram ideias pós-graduandos (8%), pessoas com formação técnica (5%) e nos níveis médio (5%) e fundamental (2%).

Dentre os participantes, 587 são estudantes, professores e pesquisadores vinculados a 39 instituições de ensino de todo o Estado. As instituições com maior número de ideias submetidas são a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com 196 ideias; o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), com 48; a Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), com 37; a Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), com 26; e o Centro Universitário Católica de Santa Catarina, com 25 ideias.

A avaliação das ideias inscritas será realizada por especialistas de todo o estado e no dia 09/12 serão anunciadas aquelas que passam para a segunda fase do processo. A expectativa é de que até 300 propostas sigam na disputa. Nesse segundo momento, os autores das ideias deverão submeter um projeto de empreendimento. As proposições serão novamente avaliadas e aproximadamente 200 aprovados passam à terceira e última fase. Nessa, os empreendedores precisam enviar um projeto de fomento. O resultado final será divulgado no dia 31/03. Até 100 ideias serão contempladas e recebem apoio para se tornarem startups. Ao longo de todo o processo os participantes recebem capacitação para aprimorar seus projetos.

 

Impacto na cultura empreendedora de Santa Catarina

O Sinapse da Inovação foi concebido pela Fundação CERTI e apoiado pela FAPESC em 2008 com o objetivo de aumentar o investimento em inovação tecnológica no Estado a partir da transformação de ideias inovadoras em negócios de sucesso. Desde a operação piloto lançada em 2008, o programa já deu origem a quase 300 startups inovadoras e gerou mais de 1,2 mil empregos diretos e 94 patentes.

?O Sinapse se encaixa muito bem no ecossistema inovador de Santa Catarina pois acaba preenchendo um vácuo que existia. Ao dar uma chance para aquelas pessoas que tinham apenas uma ideia, mas não sabiam por onde começar, criou-se uma verdadeira cultura do empreendedorismo no Estado?, analisa Leandro Carioni, diretor executivo da Fundação CERTI e coordenador do programa.

O Sinapse também contribui para o estabelecimento da ponte entre academia e indústria em Santa Catarina. Muitas das ideias vêm de pessoas ainda na universidade, tanto de cursos de graduação como de pós-graduação.

Além disso, a taxa de sobrevivência das empresas criadas com o programa é de 83%, bastante superior à média nacional. As ?sinápticas?, como são conhecidas, apresentaram faturamento estimado de R$ 120 milhões em 2014 e arrecadaram R$ 27 milhões em impostos no mesmo ano ? valor bastante superior ao investido em todas as edições até hoje.

No início deste ano o modelo foi exportado para o estado do Amazonas, onde a primeira edição ainda está em andamento. Na primeira fase do Sinapse AM, foram inscritas quase 1,2 mil ideias. A implantação do programa em outros estados está em fase de discussão.


Fonte: Assessoria Fundação CERTI

Twitter Facebook Google+ LinkedIn